Cheios de Graça – Pr. Sérgio Freitas

Categories: Artigos

Mateus 19.16-22

Durante todo o ano de 2015, como igreja, vivemos a experiência da Graça. Aprendemos, vivemos e distribuímos grande parte do que ela significa. No último domingo do ano, o que nos resta concluir é que definitivamente somos uma comunidade cheia de Graça e da Graça.

A base de toda nossa reflexão do ano foi a Carta de Paulo aos Gálatas 2.16-21. E hoje, gostaria de concluir o nosso tema do ano usando a história do encontro de Jesus com o Jovem Rico e tirar lições de como podemos seguir vivendo e distribuindo essa Graça de Jesus.

  1. Mestre (v.16) – só pode chamar de mestre quem é seguidor, quem tem relacionamento. Só chame Jesus de mestre se ele de fato for! Siga-o de perto.
  1. Merecimento (16, 17) – a Graça não é uma questão de merecimento. Não há um bom sequer que mereça. O único que é bom, escolheu a Graça como parâmetro de juízo.
  1. Mandamentos (v. 17-20) – Jesus não cita todos, apenas alguns mandamentos. Jesus cita somente os mandamentos que fazem do humano, humano. Mas mesmo cumprindo todos estes, o Jovem ainda não se sente parte do Reino.
  1. Venda tudo (v. 21, 22) – Jesus deseja o coração. Inclusive, ele busca as pessoas que sejam autênticas para expor onde está o coração e a partir disso, fazer a sua decisão por segui-lo ou não.

Quando nos enchemos de Graça, o relacionamento com o Jesus da Graça se torna verdade não somente para a minha própria vida, mas alcança os outros. Assim, posso chamar Jesus de Mestre porque eu o sigo de perto. Entendo que a Graça, O Reino dos Céus, o Reino de Deus, o Céu, a Vida Eterna, não é conquistada ou merecida, ela é dada, de presente a todos nós, indignos pecadores. O presente da Graça não nos trata com a justiça do nosso juízo, mas é a Justa Misericórdia de Deus sobre nós.

Que a partir dessa fixação da Graça em nós possamos alcançar a nossa cidade e o nosso estado para a glória de Deus!

Um beijo carinhoso,

Sérgio Freitas.