O Amor não é Orgulhoso – Pr. Sergio Freitas

Categories: Artigos

Romanos 3.21-31

Domingo passado, através de alguns exemplos práticos, refletimos se somos ou não pessoas que sustentavam o orgulho. Avaliamos nossas prioridades e a maneira como olhamos para nós e para os outros. Aprendemos que quando focamos o nosso coração naquilo que vem de Jesus, somos transformados para transformar. O objetivo de lutar contra esta enfermidade, o orgulho, é gerar vida nos lugares que só há guerra e morte.

Hoje, lendo Romanos, gostaria que pensássemos sobre o sentimento que temos de cumprimento de missão diante de Deus. E do porquê temos dito e feito coisas para e em nome de Deus. Pensando nisso, precisaremos concluir algo sobre o nosso sentimento de orgulho dentro da esfera cristã/religiosa.

1. Somos justificados pela fé – a maneira pela qual Deus exerce justiça sobre nós é por meio do crer em Jesus. Não é pelo cumprimento da Lei Mosaica, ou lei da igreja, mais pela fé em Cristo, onde se fazem completas todas as coisas.

2. Não há distinção entre nós – porque todos pecamos e fomos separados da glória de Deus.

3. Somos justificados de graça – o sacrifício de Jesus é a nossa redenção da separação que o pecado nos condenou. Ao olharmos para Jesus, alcançamos a redenção mediante a fé, isso é gratuito.

4. A cruz desviou a ira de Deus – Jesus se ofereceu como sacrifício para a propiciação (desvio da ira e remoção do pecado) mediante a fé. Isso, na ótica de Deus é justiça e precisa ser na nossa ótica também.

5. Não há motivo para orgulho no Reino – por que se orgulhar de algo de que não fez por merecer? De alguma coisa que não precisa de obras para que seja concretizada sobre todos? O orgulho é completamente excluído, quando nos relacionamos com o Jesus justificador, pois a justificação não é baseada na obediência, mas sim na fé no Jesus que anulou toda a nossa dívida.

Se você baseia a sua vida no cumprimento de dogmas, tradições, ritos, costumes, paradigmas religiosos, é muito possível que você não seja alguém que vive a vida de maneira livre e alegre. Afirmo isso porque se você em todo tempo sente culpa por tantas coisas que não consegue fazer, é provável que não consiga cumprir a maior parte das coisas que acha que “precisa” para alcançar a salvação e o perdão de Deus. Cuidado para não se tornar uma pessoa tão pesada e difícil de se relacionar. Porque o mesmo peso que coloca sobre você, projeta para todos os outros que estão a sua volta. Ao mesmo tempo, quando consegue cumprir alguma coisa, bate no peito como se agora, Deus tivesse a obrigação de dar tudo o que você deseja, pois, afinal, você merece!

Hoje a libertação chegou para você! Você não precisa se orgulhar de nada que vive dentro da esfera cristã. Jesus te ama e aceita você assim mesmo, do jeito que você é! Não há regras a serem seguidas, há um relacionamento com Jesus a ser cultivado! Leia 2 Coríntios 10.17-18.

Que o Senhor Jesus, nosso justificador pela fé, não por obras, mas de graça, nos liberte de toda prisão e opressão religiosa legalista.

Um beijo carinhoso, Sérgio Freitas.